A Indigo é uma rede de desenvolvimento humano e aprendizado organizacional.

TRANSFORMAÇÃO DIGITAL AZUL

TRANSFORMAÇÃO DIGITAL: O QUE É E COMO OS LÍDERES DEVEM AGIR

O termo transformação digital tornou-se uma buzzword nos últimos anos, ou seja, virou um conceito amplamente utilizado e debatido. No entanto, o processo de digitalização das empresas é pensado desde o surgimento dos primeiros e-commerces. A grande diferença é que no contexto da quarta revolução industrial, as empresas precisam lidar com inteligência artificial, realidade virtual, big data, machine learning, internet das coisas, blockchain dentre outras inovações que surgiram ao longo dos anos. Além disso, a velocidade das mudanças é muito maior, o que exige capacidade de aprendizado constante. Com o boom das startups, negócios disruptivos, que já nascem digitais, têm pressionado empresas tradicionais a se adequarem. Afinal, o mundo atual é VUCA.

De acordo com a pesquisa “What’s the State of Digital Transformation in 2017?” da Altimeter Group, transformação digital é:

 “O investimento e o desenvolvimento de novas tecnologias, mentalidades e modelos comerciais e operacionais para melhorar o trabalho e a competitividade e oferecer valor novo e relevante para clientes e funcionários digitais em uma economia digital em constante evolução”.

O principal erro de líderes ao pensarem em transformação digital é acreditar que se trata apenas de tecnologia. Não basta “estar na internet” ou utilizar “a tecnologia do momento”. É preciso pensar de forma digital, ter profissionais atualizados com as competências necessárias, modelos de negócios aderentes às necessidades dos clientes, processos atualizados que visem a melhoria da experiência do usuário e, principalmente, uma cultura voltada ao aprendizado organizacional constante.

 

OS ESTÁGIOS DA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

A maior parte das empresas apenas reage às mudanças e tendências do mercado. No entanto, de acordo com a pesquisa da Altimeter Group, 36,9% dos entrevistados afirmam realizar proativamente investimentos para adaptarem-se ao mercado em disrupção antes que seja tarde demais. E engana-se quem pensa que este é um assunto da área de Tecnologia da Informação (TI). Em 2017, mais executivos estavam prestando atenção ao tema. Entre os participantes da pesquisa, 57,8% são executivos que supervisionam as iniciativas de transformação digital. A tendência é aumentar.

A pesquisa aponta os estágios da transformação digital. São eles:

BUSINESS AS USUAL (Negócios como usual). As organizações continuam operando com a perspectiva de sempre acerca de clientes, processos, métricas, modelos de negócios, tecnologia, acreditando que continuarão tendo relevância digital.

PRESENT AND ACTIVE (Presentes e ativos). São realizadas iniciativas de experimentação para estimular criatividade aprendizado em toda a organização, visando melhorar e ampliar pontos de contato e processos específicos.

FORMALIZED (Formalizados) A experimentação torna-se intencional ao ser executada com mais capacidades e em níveis mais elevados.

STRATEGIC (Estratégicos) Os grupos individuais reconhecem a força da colaboração à medida que sua pesquisa, trabalho e percepções compartilhadas contribuem para novos roteiros estratégicos que planejam a transformação digital de responsabilização, esforços e investimentos.

CONVERGED (Convergido). Uma equipe de transformação digital é destinada a elaborar a estratégia e as operações com base em objetivos empresariais e centradas nos objetivos dos clientes. Começam a se solidificar os novos papéis, competências, modelos, processos e sistemas de suporte à transformação.

INNOVATIVE AND ADAPTATIVE (Inovadora e adaptativa). A transformação digital torna-se parte do negócio, já que executivos e estrategistas reconhecem que a mudança é constante. Um novo ecossistema é estabelecido para identificar e atuar sobre a tecnologia e as tendências de mercado com a implantação de pilotos e, eventualmente, ganho de escala.

OS PRINCIPAIS DESAFIOS DA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

Ainda segundo a pesquisa, os principais desafios de acordo com os participantes, são:

  • A falta de alfabetização digital e experiência ancora a transformação digital no passado;
  • Transformação digital erroneamente é vista como um centro de custo a curto prazo em vez de um investimento a longo prazo na competitividade;
  • A cultura, os orçamentos e os recursos são catalisadores ou inibidores;
  • Gestão da mudança é essencial para o sucesso da transformação digital.

OS LÍDERES ESTÃO PREPARADOS PARA A INDÚSTRIA 4.0?

De acordo com pesquisa publicada pela Delloitte neste artigo, realizada com 1500 executivos de 19 países, a resposta é “nem tanto”. A pergunta foi “o quão prontos os líderes de empresas e agências governamentais estão para aproveitar o pleno potencial da indústria 4.0 em benefício dos clientes, das pessoas, da organização, da comunidade e da sociedade em geral?”. O resultado foi o seguinte:

  • Apenas 14% dos respondentes estão confiantes que suas organizações estão prontas para aproveitar plenamente as mudanças associadas à indústria 4.0.
  • Apenas um quarto dos CXO – Chief Experience Officer responderam que estão confiantes de que têm a composição de força de trabalho e habilidades necessárias para o futuro, apesar de 84% dizerem que estão fazendo tudo o que podem para formarem uma equipe para a indústria 4.0.

Como falamos neste vídeo abaixo, a mudança deve começar pelo mindset, ou seja, pelo modelo mental de líderes e posteriormente de toda a equipe para que seja gerada uma profunda mudança na cultura organizacional.

O MINDSET DIGITAL

Esse mindset digital é desenvolvido com o tempo e demanda uma abertura dos profissionais e uma mudança de postura diante da tomada de decisões. A pesquisa “4 Ways Leaders Set Themselves Apart”, realizada pela Oxford Economics com a SAP Center for Business Insight com mais de 3 mil empresas de 17 países em 2017 mostra algumas características das 100 empresas que foram mais bem-sucedidas no seu processo de transformação digital. Entender esses comportamentos é uma forma de inspiração para a iniciar formação de um mindset digital.

Eles são focados na transformação verdadeira

Os líderes acreditam que unificar suas culturas com uma mentalidade digital é o elemento fundamental da transformação. Muitos estão usando equipes de projeto focadas em repensar modelos de negócios e evitar mudanças fragmentadas. Enquanto isso, a maioria das outras empresas está deixando a transformação para TI ou para linhas de negócios individuais – sem os resultados positivos dos líderes.

Eles transformam as funções voltadas aos clientes em primeiro lugar

Os líderes vêem a experiência do cliente como uma ponte para uma transformação digital bem-sucedida. Eles são 58% mais propensos a citar o empoderamento do cliente como uma tendência global chave. Os líderes também tiveram sucesso ao conectar seus esforços voltados aos clientes aos processos de negócios em toda a empresa e os estenderam a parceiros e fornecedores.

Eles investem na próxima geração de tecnologia usando uma arquitetura bimodal

Os líderes investem mais fortemente em tecnologias de próxima geração, especialmente big data e analytics, internet das coisas e machine learning. Eles fazem isso usando uma arquitetura bimodal para que eles possam tornar sua infraestrutura básica mais eficaz e eficiente em termos de custos ao mesmo tempo em que incorporam inovações e novas tecnologias para estar à frente da concorrência.

Eles são voltados a talentos

Com habilidades que impulsionam a transformação digital em alta demanda, os líderes estão investindo fortemente no recrutamento e treinamento para garantir que estejam preparados para enfrentar novos desafios à medida que surgem.

 

Você consegue identificar em que estágio de transformação digital sua organização se encontra? Considera que você e sua equipe já têm o mindset digital? Deixe um comentário.

 

Camila Pires, Fundadora da Rede Indigo, é apaixonada por aprender, por empreender e por desenvolver pessoas, equipes e organizações. Ela tem uma formação multidisciplinar que passa por comunicação, gestão do conhecimento, gestão empresarial, coaching, neurociências pedagógicas e inovação. Para saber mais sobre sua formação e experiência profissional, acesse seu perfil no LinkedIn no ícone abaixo.